()

    Inconsciente e responsabilidade: Psicanálise do século XXI – 1ª EDIÇÃO - Impresso

    Cód. Ref.
    9788520433904

    De: R$ 59,00Por: R$ 53,10ou X de

    Economia de R$ 5,90

    Comprar

    descrição do produto

    Currículo

    AutorForbes, Jorge
    CurrículoSobre o autor:
    Jorge Forbes é psicanalista e médico psiquiatra, em São Paulo. Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) - Faculdade de Medicina (Neurologia). Doutor em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre em Psicanálise pela Universidade Paris VII. A.M.E. - Analista Membro da Escola Brasileira de Psicanálise e da Escola Europeia de Psicanálise. Membro da Associação Mundial de Psicanálise (AMP).
    É um dos principais introdutores do ensino de Jacques Lacan no Brasil, de quem frequentou os seminários em Paris, de 1976 a 1981. Teve participação fundamental na criação da Escola Brasileira de Psicanálise, da qual foi o primeiro diretor-geral. Preside o Instituto da Psicanálise Lacaniana (IPLA) e o Projeto Análise (www.projetoanalise.com.br). Dirige a Clínica de Psicanálise do Centro do Genoma Humano - USP.
    Tem artigos publicados no Brasil e no exterior; é autor, dentre outros livros, de “Você quer o que Deseja?”, em que trata de uma psicanálise além do Édipo, própria ao novo homem desbussolado da globalização. É coautor de “A Invenção do Futuro”, em que pensa soluções para viver na era de quebra dos ideais. Colabora com a grande imprensa, sendo curador e conferencista do Café Filosófico da CPFL - TV Cultura (vídeos: http://migre.me/diXB). Por seus trabalhos sobre as novas formas de viver na pós-modernidade, tem sido consultado por hospitais, escolas e empresas.

    Sinopse

    Sinopse“[...] O inconsciente do qual vamos tratar é aquele que leva o ser falante a responsabilizar-se pela invenção de seu estilo singular de usufruir de seu corpo e de sua vida. No discurso da psicanálise difundida nos meios de comunicação, responsabilidade e inconsciente não são termos que aparecem conjugados, chegando a ser considerados excludentes. Assim, a responsabilidade estaria associada à consciência plena e onde houvesse inconsciência não poderia haver responsabilidade. Diante de um ato que cometeu - voluntária ou involuntariamente - e sobre o qual estranha a própria participação, é comum a pessoa dizer: ‘Só se foi o meu inconsciente’. No século xxi, o psicanalista que acredita no inconsciente irresponsável não trata o sintoma e não cura. É urgente considerar a responsabilidade pelo que é inconsciente, pois já não podemos mais contar com as ficções - tais como a do mito paterno - que, até o século passado, nos permitiam escapar, dizendo: ‘Foi por causa de papai’. Também a clínica psicanalítica, por essas mesmas razões, atravessa um novo momento. […]” - Trecho da Introdução

    Sumário

    SumárioSumário resumido:
    1. O princípio responsabilidade e o inconsciente
    2. A psicanálise do homem desbussolado
    3. A psicopatologia e o final da análise
    4. Felicidade não é bem que se mereça
    5. A psicanálise em sua clínica
    6. A psicanálise além de sua clínica
    7. Responsabilidade: estar desabonado do inconsciente

    Especificações

    Largura13,8
    Altura21
    Número de páginas240
    EncadernaçãoBrochura
    Ano de publicação2012
    Edição1ª EDIÇÃO