lançamentos oferta da semana
Minha cesta
    Quantidade: Subtotal:
    finalizar compra
    Limpar filtrosFiltrar
    Gestão da Inovação Tecnológica – 2ª EDIÇÃO - Impresso
    9788520426784
    Gestão da Inovação Tecnológica – 2ª EDIÇÃO - Impresso
    Gestão da Inovação Tecnológica – 2ª EDIÇÃO - Impresso
    9788520426784
    Adicione a lista de desejos

    Ressaca BLACK FRIDAY 80%

    De: R$ 110,00Por: R$ 22,00ou X de

    Economia de R$ 88,00

    Comprar
    • loja 100% segura
    • Parcelamento em até 12x sem juros
    • 5% de desconto no boleto
    Compartilhe nas redes

    Sobre o Curso

    O intuito dessa obra é apresentar soluções para que o conhecimento e a tecnologia gerados na universidade cheguem ao setor empresarial, sem prejudicar o ensino e a pesquisa, o que dá ao livro um caráter didático. Esta segunda edição obtém novo capítulo que aborda a criação de uma cultura organizacional voltada para a inovação.

    Currículo

    AutorDálcio Roberto dos Reis

    Sinopse

    SinopseO intuito dessa obra é apresentar soluções para que o conhecimento e a tecnologia gerados na universidade cheguem ao setor empresarial, sem prejudicar o ensino e a pesquisa, o que dá ao livro um caráter didático. Esta segunda edição obtém novo capítulo que aborda a criação de uma cultura organizacional voltada para a inovação. O livro dirige-se a professores, pesquisadores e profissionais que atuam como gerentes de tecnologia e a estudantes interessados em criar novas tecnologias e transformá-las em inovação.

    Sumário

    SumárioApresentação da Primeira Edição . . . . . . . . . xvii

    Apresentação da Segunda Edição . . . . . . . . . xxiii

    Prefácio à Primeira Edição . . . . . . . . . . . . xxvii

    Prefácio à Segunda Edição . . . . . . . . . . . . xxxi

    Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xxxiii

    1. Produção e Transferência de Conhecimento
    A importância do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . 1

    A criação de conhecimento na empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3

    Os quatro modos de conversão do conhecimento . . . . . . . . . . . 9

    Socialização: do conhecimento tácito em conhecimento tácito . 9

    Externalização: do conhecimento tácito em conhecimento
    explícito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

    Combinação: do conhecimento explícito em conhecimento
    explícito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

    Internalização: do conhecimento explícito em conhecimento
    tácito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

    As cinco condições que promovem a criação da espiral
    do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

    Intenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

    Autonomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

    Flutuação e caos criativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

    Redundância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

    Variedade de requisitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

    As cinco fases do processo de criação do conhecimento . . . . . . . 14

    Fase 1: Compartilhamento de conhecimento tácito . . . . . . . 15

    Fase 2: Criação de conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

    Fase 3: Justificação de conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

    Fase 4: Construção de um arquétipo . . . . . . . . . . . . . . . 17

    Fase 5: Difusão interativa do conhecimento . . . . . . . . . . . 18

    A transferência de conhecimento e a busca pela inovação a partir
    das relações universidade-empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

    O tempo despendido no processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

    A apropriação do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

    A implicitabilidade do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . 26

    A universalidade do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

    Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

    2. Conceitos em Ciência, Tecnologia e Inovação
    Relacionamento entre ciência e tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . 31

    O processo de inovação tecnológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

    Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

    3. Modelos de Mudança Tecnológica
    Modelos lineares . . .. . 51

    Modelo science-push . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

    Modelo market-pull . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

    Modelos interativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

    Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

    4. As Estratégias de Inovação das Empresas e as
    Formas de Acesso à Tecnologia Construção de capacidades tecnológicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

    Estratégias tecnológicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83

    Estratégia ofensiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84

    Estratégia defensiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

    Estratégia imitadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

    Estratégia dependente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

    Estratégia tradicional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

    Estratégia oportunista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

    Formas de acesso à tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

    Compra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

    Importação explícita de tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

    Vigilância tecnológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90

    Cópia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90

    Ser uma empresa subcontratada . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

    Pesquisa cooperativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92

    Formação de pessoal próprio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92

    Licenciamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93

    Pesquisa por encomenda (por contrato) . . . . . . . . . . . . . . 94

    Contratação de especialistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

    Associações e alianças estratégicas . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

    Pesquisa e desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96

    Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97

    5. Cooperação Universidade-empresa como Instrumento para a Inovação Tecnológica Do triângulo de Sábato à tríplice hélice de Etzkowitz . . . . . . . . 99

    Intra-relações dentro de cada vértice . . . . . . . . . . . . . . . 102

    Inter-relações entre os três vértices . . . . . . . . . . . . . . . . 102

    Relações com o contorno externo ou extra-relações . . . . . . 102

    Evolução da cooperação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

    Características do relacionamento universidade-empresa . . . . . . 108

    Referencial teórico das relações universidade-empresa . . . . . . . . 112

    A dimensão psicossociológica do relacionamento
    universidade-empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113

    Motivações para as empresas se relacionarem com as
    universidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

    A dimensão organizacional do relacionamento
    universidade-empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122

    Uma taxonomia para as relações universidade-empresa . . . 123

    Procedimentos de coordenação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126

    A avaliação do relacionamento universidade-empresa . . . . 130

    Motivações e barreiras ao relacionamento entre universidades
    e empresas no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133

    Motivações para as empresas, em ordem decrescente
    de importância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134

    Motivações para a universidade, em ordem decrescente
    de importância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134

    Principais barreiras ao processo de interação entre as
    empresas e as universidades, pela ordem de importância . . . . 135

    Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136

    6. Um Guia Prático para Universidades e Empresas em Busca da Inovação Tecnológica As reais necessidades de pequenas e médias empresas industriais brasileiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

    Fases necessárias para iniciar o relacionamento . . . . . . . . . . . . . 143
    Definição de uma política/filosofia da universidade para
    as relações empresariais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143

    Autoconhecimento institucional . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144

    Marketing interno para as relações com as empresas . . . . . 145

    Infra-estrutura adequada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146

    Marketing externo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

    Gestão das relações universidade-empresa . . . . . . . . . . . 148

    Formação de gestores das relações universidade-empresa . . . 148

    Avaliação junto aos utilizadores . . . . . . . . . . . . . . . . . 149

    Os mecanismos selecionados para a interação
    universidade-empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150

    Dia da Indústria (ou do Comércio, ou da Agricultura etc.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

    Visitas dos dirigentes universitários às empresas. . . . . . . . . 152

    Feira de empresas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153

    Feira de estágio/emprego . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153

    Programa de acompanhamento de ex-alunos . . . . . . . . . . 153

    Visitas técnicas de alunos às empresas . . . . . . . . . . . . . . 154

    Encontros com a empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154

    Presença de um representante da indústria no conselho
    diretivo máximo da universidade. . . . . . . . . . . . . . . . . 155

    Conselho empresarial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

    Mesas-redondas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156

    Encontros com responsáveis por recursos humanos
    das empresas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156

    O estágio curricular dos estudantes . . . . . . . . . . . . . . . . 157

    O estágio de professores nas empresas. . . . . . . . . . . . . . 158

    Cursos extraordinários de extensão universitária . . . . . . . 158

    Prestação de serviços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

    Programa “A Empresa no Ensino” . . . . . . . . . . . . . . . 160

    Pesquisa por encomenda ou por contrato . . . . . . . . . . . . 160

    Incubadoras de empresas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

    Programa “disque-universidade”. . . . . . . . . . . . . . . . . 162

    Empresa júnior. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165

    Programa “Balcão de Teses”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166

    Estrutura operacional para obtenção de inovações tecnológicas
    a partir da universidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168

    Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172

    7. Cultura Organizacional para a Inovação O intra-empreendedorismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173

    Avaliação da cultura intra-empreendedora . . . . . . . . . . . . . . . . 177

    1. Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180

    2. Processo decisório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181

    3. Incentivos/motivação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181

    4. Recompensas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182

    5. Autonomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

    6. Liderança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

    7. Equipes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

    8. Controle/mensuração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184

    Questões para debate em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

    Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187

    Índice Remissivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201

    Especificações

    Tipo de produtoLivros
    ISBN9788520426784
    Peso0,450 kg
    Largura16 cm
    Altura23 cm
    Profundidade (lombada)1,5 cm
    Número de páginas208
    EncadernaçãoBrochura
    Ano de publicação2007
    Edição2

    Veja toda a programação

    Veja todos os coordenadores

      Avaliação do Produto

      Dúvidas dos consumidores