Precisa de ajuda?

(11) 4196-6000
Das 08:00 às 17:00

Whatsapp
LivrosPsicologiaPsicologia ClínicaPsicologia Fenomenológica e Existencial - 1ª EDIÇÃO - Fundamentos filosóficos e campos de atuação

Parcelamento em
até 10x sem juros

Primeira troca
gratuita

5% de desconto
no PIX

Livros | Psicologia | Psicologia Clínica

Click me

Psicologia Fenomenológica e Existencial - 1ª EDIÇÃO - Fundamentos filosóficos e campos de atuação

Referência: 9786555764642
  • A apropriação de conceitos de uma disciplina por outra implica o apoderamento de concepções originadas em um sistema distinto, o que demanda adoção, assimilação, desvelamento ou criação de possíveis significados. Inevitavelmente, a apropriação de conceitos por disciplinas diferentes daquelas nas quais foram gerados os transforma. Os significados podem assemelhar-se, estar próximos aos de sua origem, mas não são mais os mesmos. Ao serem apropriados sofrem ajustes exigidos pelo novo contexto: modificam-se a fim de se adaptarem, serem aceitos e se incorporarem ao novo habitat.
  • Apropriação implica, portanto, em movimento. Trata-se de um processo no qual os conceitos apropriados necessariamente criam relações com as culturas nas quais são inseridos e com os valores que ali imperam. Esse fluxo é composto de incorporações, assimilações e ajustes para que os conceitos, transformados, ganhem espaço e se integrem à nova disciplina. Já quando modificados e incorporados, provocam mudanças no modo de compreender os objetos de conhecimento, os objetivos e os modos de concretizar ações da disciplina que os recebe. Em outras palavras, parte e todo se ajustam visando à melhor forma, possibilitando que os conceitos sejam, então, novamente apropriados pelos adeptos do sistema.
  • A apropriação de conceitos de uma disciplina por outra encontra resistências e, sob certo ponto de vista, é considerada uma usurpação e, principalmente, um desvio do rigor teórico, exatamente por alterar significados. O conceito original, stricto sensu, só teria sentido no sistema em que foi desenvolvido.
  • No entanto, a história da ciência mostra que a apropriação e a modificação de conceitos podem ser férteis: provocam reordenamentos disciplinares e novas práticas, possibilitam a junção de diferentes campos do saber e o cruzamento de linguagens diversas, criam novos domínios do conhecimento e diálogos interdisciplinares. Neles, o uso do mesmo termo com distintos significados exige o esclarecimento das referências ou a definição de matrizes coletivas que assegurem trocas e, ao mesmo tempo, garantam a preservação da identidade de cada disciplina.
  • O livro que o leitor tem em mãos possibilita interessantes reflexões a partir das colocações anteriores. A Psicologia se descolou da Filosofia a partir da definição de seu objeto de estudo e do desenvolvimento de conceituações próprias. E, em um movimento interativo, a escolha por esta ou aquela abordagem filosófica determinou as diferentes definições de seu objeto de conhecimento dando origem às múltiplas psicologias.
  • Em seu desenvolvimento, muitas escolas psicológicas criaram matrizes e conceitos teóricos próprios relativos ao desenvolvimento humano, ao entendimento da personalidade e da psicopatologia, entre outros. A origem filosófica se manteve como base das teorias dessas escolas e permite identificá-las. Houve apropriação de conceitos que caracterizaram certo modo de ver o mundo e o ser humano e de compreender o conhecimento. Já assimilados, os conceitos filosóficos subjazem às reflexões teóricas, à bibliografia disciplinar e às práticas profissionais. Citá-los se torna desnecessário, referências a sua origem filosófica se restringe aos estudos históricos e epistemológicos desta ou daquela teoria e cumpre a importante função de permitir um mapeamento dos diferentes paradigmas existentes na área.
  • As abordagens psicológicas, assim, ganham corpo próprio e vão se delineando como ciência e não mais filosofia. Por essa razão, se torna desnecessário que em cada estudo do behaviorismo, por exemplo, sejam feitas referências aos filósofos positivistas e a outros que o influenciaram. Seu corpo teórico e suas práticas já se consolidaram no amplo espectro da psicologia behaviorista, que se apresenta como científica. Do mesmo modo, não é preciso que a psicanálise, em todas as suas colocações, cite os filósofos que influenciaram Freud e seu desenvolvimento teórico; ou que a psicologia social esclareça em suas apresentações o pensamento de Marx, ou de outro autor. O paradigma filosófico inicial já foi incorporado e subjaz ao conhecimento sistematizado em cada abordagem. No entanto, o mesmo não ocorre quando se trata da Psicologia Fenomenológica: sua origem filosófica e os conceitos por ela adotados são continuamente reafirmados como que assegurando seu título e a validade de sua posição.
  • Os principais filósofos da Fenomenologia se referiram à Psicologia, mormente no sentido de circunscrever sua especificidade, examinando a possibilidade de que ela se diferenciasse da Filosofia e se implantasse como disciplina própria e independente. Nessa direção, discutem as possíveis relações que podem ser estabelecidas entre as duas áreas. E o fazem se referindo ao trajeto do desenvolvimento da Fenomenologia. Husserl, Heidegger, Sartre, Merleau-Ponty e outros (muito bem apresentados pelos autores deste livro) desenvolvem a Fenomenologia, ou melhor, as Fenomenologias, e consideram seu efeito na Psicologia, de modo que a cada um desses pensadores corresponda certo modo de compreender não apenas o que é a Fenomenologia, mas, também, o que poderia ser a Psicologia.
  • As primeiras incursões pelo pensamento fenomenológico, para além da Filosofia, ocorreram notadamente no campo da literatura, da psiquiatria e da educação e seus efeitos foram cada vez mais ampliados. Criou-se um modo de “apresentar a fenomenologia” em forma de novelas, desenvolveu-se um modo de “fazer fenomenologia”, de tal forma que o “como”, substituindo o “por que”, se tornou uma marca da abordagem e da exposição fenomenológica. A preocupação de desenvolver uma conceituação específica, transportando os conceitos filosóficos e se apoderando deles para criar uma nova teoria psicológica, embora existente, tornou-se marginal. Ao final, a Psicologia Fenomenológica se recusou a ser transformada em ciência no sentido estrito da palavra e a criar um sistema teórico fechado em si mesmo. As diferentes conceituações da Fenomenologia, não se transmutaram em teorias psicológicas, mas foram certamente apropriadas e resignificadas pelos psicólogos fenomenólogos. E sofreram as transformações conceituais inevitáveis nas adoções pessoais. No processo de apropriação, o sujeito não é apenas um receptor. Ele modifica o conceito e se modifica ao encontrar em si novas e insuspeitadas possibilidades de compreensão. Sua subjetividade é afetada, há deslocamentos cognitivos e outros, o que influencia o seu modo de estar no mundo e de agir e, no caso, a sua maneira de ser psicólogo.
  • Os conceitos da Fenomenologia em sua diversidade e diferenças afetaram os psicólogos que se declaram fenomenólogos ao se apropriarem deles de acordo com seus princípios, valores, escolhas e objetivos. Mantendo como referência os filósofos da Fenomenologia e seus conceitos basilares, os psicólogos puderam transitar e estabelecer relações a partir desses conceitos com diferentes conhecimentos criando interações e produzindo ações originais. Assim, a cada apresentação das produções da Psicologia Fenomenológica são retomados os conceitos apropriados da Filosofia e o modo como foram resignificados por cada um.
  • E exatamente por não fixar significados estritos, por não incorporá-los em uma teoria fechada, por manter referências amplas, a psicologia fenomenológica se manteve e se mantém em contínuo movimento. E em seu trajeto se reapodera dos conceitos da Fenomenologia, os revê, os recria e os reapresenta em versões similares, porém distintas, gerando um interessante fluxo de interações e atuações que frutificam o campo das reflexões e das aplicações. Essa riqueza e versatilidade são apresentadas neste livro nos capítulos dedicados à clínica, à educação, à saúde, à política e à pesquisa.
  • Este é o fio da navalha no qual se desenvolve a psicologia fenomenológica: não é uma ciência, não é uma filosofia, é múltipla e se movimenta em revisões, construções, descontruções, anda às margens, cria interfaces, desenvolve técnicas, se dirige a campos variados e desempenha diferentes funções mantendo-se fiel, de diferentes modos, à Fenomenologia. Este é o desafio que se apresenta aos psicólogos que querem fazer psicologia fenomenológica.
  • + Ver mais

    De
    R$ 154,00
    Por
    R$ 138,60
    Ou 10 x de R$ 13,86
    sem juros
    Economize R$ 15,40
    -10%
    Ou R$ 138,60 à vista no pix

    Formas de pagamento


    Por que ler esse livro?
    Psicologia Fenomenológica e Existencial: fundamentos filosóficos e campos de atuação é uma obra que dialoga tanto com o estudante que inicia seus estudos em Psicologia Fenomenológica e Existencial quanto com o leitor já familiarizado com alguns destes conteúdos e que deseja aprofundar seus conhecimentos. Contribui também com os docentes dessa disciplina, que encontram neste livro excelentes textos para seus estudantes, já que são abordados, em linguagem acessível e com autores referenciados em âmbito nacional e internacional, os principais temas e teóricos desse amplo eixo epistemológico. Dividida em duas partes, a obra apresenta: • Os principais fundamentos da tradição fenomenológica e existencial; • Suas possibilidades de atuação nos mais diversos campos profissionais da psicologia. Além disso, o leitor encontrará textos bem fundamentados teoricamente e comprometidos com a construção de uma psicologia engajada, pois apresenta autores(as) e práticas que articulam temas timidamente debatidos em nosso meio, tais como: racismo, feminismo e pensamento decolonial. Desejamos uma leitura que possa promover uma formação sólida nessa área e ressoe em ações verdadeiramente libertárias.
    • Prefácio
    • Introdução
    • Seção I Fundamentos teóricos e epistemológicos da psicologia fenomenológica e existencial
    • 1. Introdução à fenomenologia
    • 2. Contribuições do pensamento de Martin Heidegger para a psicologia fenomenológica existencial
    • 3. A psicologia existencialista com base em Jean-Paul Sartre
    • 4. Contribuições do pensamento de Hannah Arendt para a psicologia
    • 5. Contribuições do pensamento de Simone de Beauvoir para a psicologia
    • 6. Contribuições do pensamento de Frantz Fanon para a psicologia existencial
    • 7. Pensamento decolonial e psicologia existencial
    • Seção II Campos da psicologia fenomenológica e existencial
    • 8. A clínica existencial
    • 9. Contribuições da psicologia fenomenológica e existencial para o campo da educação
    • 10. Atuação da psicologia fenomenológica existencial no campo da saúde: desafios e possibilidades
    • 11. Intervenções em grupos na perspectiva existencialista
    • 12. Plantão psicológico em uma compreensão fenomenológica existencial
    • 13. A pesquisa na perspectiva fenomenológica: uma proposta dialógica e colaborativa
    • Índice remissivo
    • Prefácio Introdução Seção I Fundamentos teóricos e epistemológicos da psicologia fenomenológica e existencial 1. Introdução à fenomenologia 2. Contribuições do pensamento de Martin Heidegger para a psicologia fenomenológica existencial 3. A psicologia existencialista com base em Jean-Paul Sartre 4. Contribuições do pensamento de Hannah Arendt para a psicologia 5. Contribuições do pensamento de Simone de Beauvoir para a psicologia 6. Contribuições do pensamento de Frantz Fanon para a psicologia existencial 7. Pensamento decolonial e psicologia existencial Seção II Campos da psicologia fenomenológica e existencial 8. A clínica existencial 9. Contribuições da psicologia fenomenológica e existencial para o campo da educação 10. Atuação da psicologia fenomenológica existencial no campo da saúde: desafios e possibilidades 11. Intervenções em grupos na perspectiva existencialista 12. Plantão psicológico em uma compreensão fenomenológica existencial 13. A pesquisa na perspectiva fenomenológica: uma proposta dialógica e colaborativa Índice remissivo
    • ISBN
      9786555764642
    • Peso
      0,478 kg
    • Largura
      15.5 cm
    • Altura
      22.5 cm
    • Profundidade (lombada)
      1.5 cm
    • Número de páginas
      296
    • Encadernação
      Brochura
    • Ano de publicação
      2021
    • Edição
      1
    • Tipo de produto
      Livros

    Quem viu, viu também

    9786555764642_capa3D

    Psicologia Fenomenológica e Existencial - 1ª EDIÇÃO - Fundamentos filosóficos e campos de atuação

    R$ 154,00
    R$ 138,60
    -10%